sexta-feira, 26 de março de 2010

Guilty Pleasure

Li o primeiro livro de Gossip Girl no Rio de Janeiro. Morava lá e estava na minha residência de Oncologia. Era um período ímpar na vida.. muitas angústia, estresses, causados em parte pela própria rotina pesada da vida de residente. Estava com dúvidas, questionamentos sobre a vida e precisava de algo leve, pra espairecer.
Então minha "amiga pessoal" e colegea Dani (Catita), me emprestou o livro #1...
Virou um vício. Terminei em 24h... Detalhe que eu sou muito lerdo pra ler... antes tinha demorado quase 1 ano pra terminar O Amor nos tempos do cólera... Poor Florentino Ariza....
Eu tinha vergonha de falar pros outros que estava "in love" com Blair e Serena Van der Wodsen... Que viajava, pensando estudar no St. Jude, e fazer meus "SAT's" para ir estudar na Brown, Yale ou outra universidade da Ivy League.
Nessa época passei a lidar todo dia com a morte, cara a cara com o sofrimento sem uma explicação. Me dei conta de quantas vezes deixei de aproveitar oportunidades, viver experiências, de me divertir, por medo, por vergonha do que os outros iriam pensar. Me dei conta da finitude da vida, da juventude, das oportunidades como as temos agora. Percebi como é importante experimentar, viver, ter um momento de folga, aproveitar todas as situações que surgem na vida.
Parei de ser o "chato" que eu era aos 16 anos, que não via graça no que não fizesse pensar, no que não era "cultural", que abominava esses besteiróis que cumprem apenas a função de nos divertir.
Ok.. continuo detestanto algumas coias ( o coitado do "Avatar" que o diga); mas agora sei do valor do entretenimento, do quanto um livro, série ou filme bobo pope nos aliviar, nos acalmar, nos fazer uma boa companhia sem cobranças, apenas cumprindo a funçao de nos entreter.
XOXO,

8 comentários:

  1. Não poderia concordar mais! O julgamento dos outros pertence aos outros... Como diz a personagem do terça-insana quando se vê numa roda de modernistas: "deixem-me ser burra!!" O importante é ser feliz e fiel ao que, verdadeiramente, somos e queremos pra nossas vidas...
    "D." adorei esse post! Ah, precisamos de uma Dorota!!!

    ResponderExcluir
  2. Gosto dessa transparência, dessa vontade de só ser, desse peito aberto sem medos de rótulos, flechas ou cusparadas.
    Como vc mesmo diz, "os vamps também amam".

    ResponderExcluir
  3. Vamp, ameiaocubo o post!
    Só nós sabemos como é importante nosso momento besteirol para matermos a nossa sanidade, né?
    Os Vamps se permitem acima de tudo, viver!
    Adoro gente que circula em todos os mundos e fala todas as línguas; porque ser 100% de tudo, é chato pra c.! Ainda bem que a Medicina não nos engoliu! Amém!
    Love you so...
    Chay

    ResponderExcluir
  4. Pra matar Alexandre de invejinha: me sinto meio Blair com Gil, minha Dorota. E aqui em Sampa, como diz Dan, meu "castelo de cristal" é o QG dos Vamps do Upper East Side. kkkk...
    Bjs,
    Chay

    ResponderExcluir
  5. Cat me lembro super do dia que vc foi apresentado ao mundo gossip!!! realmente é o máximo tudo isso. lembro tb do dia em que ficamos mais de 6h vendo vários episódios!! era um luxo. comendo rocombole de brigadeiro, já pensou??

    ResponderExcluir
  6. Já te disse que sou teu fã?!

    ResponderExcluir
  7. Já te disse que sou teu fã?!

    ResponderExcluir
  8. Amo vcs meus fãs! Obrigado! kkkk! Olha.. ainda comento que Dani me deu o 2o. livro de Gossip em francês, logo que chegou das férias de Paris.. pense como a Catita é Vamp... Bjos!

    ResponderExcluir