terça-feira, 11 de janeiro de 2011

"A ciência a nova Nobreza"

Assisti ao filme "Eclipse de uma paixão"   e estou lendo "Uma temporada no inferno", sobre a vida do francês Arthur Rimbaud.
O mais marcante pra mim é  a angústia, compania constante do jovem francês.
Eu não posso dizer nada sobre ele, mas os estudiosos das letras dizem que foi um dos maiores poetas da história, apesar de ter escrito apenas até os 21 anos e morrido com 37.
Será que a inteligência e sensibilidade são um fardo? Seu sofrimento pessoal e escrita refletem sua descrença no homem, na sociedade, na vida?
Vejo as notícias hoje e, a despeito do progresso científico / tecnológico, acho que o mundo ainda é parecido com o de Rimbaud, de 1870.
Li o post da minha amiga no http://queilarte.blogspot.com/ e comecei a pensar neste assunto...
Inclusive, há um trecho muito interessante no livro...

" A ciência! Tudo foi retomado, para o corpo e para a alma; o viático - temos a medicina e a filosofia, os remédios das comadres e as canções populares musicadas. E as diversões dos príncipes e os jogos que proibiam! Geografia, cosmografia, mecânica, química!...
A ciência, a nova nobreza! O progresso. O mundo anda! Por que não giraria?
É a visão dos números. Vamos ao Espírito. É certíssimo, oracular, o que digo. Compreendo, e sem saber me explicar sem palavras pagãs, preferia calar."













8 comentários:

  1. POp
    Acho que na proxima encarnação quero vir mais ignorante (ainda).
    Bjs
    POP

    ResponderExcluir
  2. Somos 2 Pop!!!

    Pelo menos não íamos ter que aguentar papos de (semi) entendidos (falsos) snobs falando dos diferentes tipos de vinho num jantar....
    não acha?

    ResponderExcluir
  3. Viva a ignorância!!! Agora vomos somente resposnder aos nossos instintos!!!!

    ResponderExcluir
  4. O conhecimento é só uma ferramenta dentre tantas outras do ser humano. Tem seu valor, mas nada que vá levar ninguém a lugar nenhum. O Auto-conhecimento sim é que pode lhe tirar da lama dessa ignorância toda.
    Somente com a transformação interior é que pode haver qualquer mudança do mundo, pois no final das contas, nós somos o mundo.
    (Vou correndo ver esse filme pois respeito muito sua sensibilidade. Obrigada por marcar meu mundo blogosférico. bjs)

    ResponderExcluir
  5. Queila, eu que agradeço!
    O que eu admiro são nossas troca de idéias que a blogosfera permite!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Amei super... Penso como o pop e como vc cat!!!

    ResponderExcluir